El propósito de este proyecto es el fortalecimiento de una sociedad a partir de la imaginación y del activismo de artistas, desde el arte, la protección y la inspiración; tenemos la tesis de que el arte se transforma en red, por eso, Latinoamérica Imaginada por Artistas se consolida con la unión de miradas y redes latinoamericanas, inicialmente, en Venezuela, Brasil, El Salvador y Colombia.

Esta es la búsqueda de un eje común de reflexión de artistas, por medio del cual se detone y se facilite una red desde varios nodos: artistas, artistas jóvenes o emergentes y democracia (participación y activismo); se necesita la imaginación de los artistas para resolver problemas como la xenofobia, «la mano dura», la desconfianza y la corrupción.

¡Bienvenidos a una red con contenido inspirador para la construcción de referentes y el reconocimiento de artistas!

Forum Navigation

Latinoamérica Imaginada y Feminismo

Cita

Pregunta para Máquina Crea

Los ritmos caribeños como el reggaetón y el Vallenato, entre otros son eminentemente masculinos, con contadas excepciones. Ustedes, como músicas alternativas, tienen relación con esa escena, les parece importante el diálogo con esos géneros que son tan populares? 

Cita

Cita

¿cuál es la mayor importancia del arte y el artista en este momento político en el que toda América Latina está retrocediendo con la aparición de políticas conservadoras?

Creo que la violencia se nos hace tan cotidiana que aceptamos sus "vestimentas" y actuamos como sociedad de formas que tal vez ni siquiera nos gusten, de esta manera terminamos dando legitimidad a políticos que venden exclusión y miedo. En este escenario el arte permite ser una "fotografía" o un "espejo" en donde la sociedad pueda reflejarse y ver en lo que se ha convertido o se esta convirtiendo y abre la posibilidad para que las personas cuestionen sus formas de convivir; otras gentes podrán  incluso rechazar estas "obras-espejo" ya que pueden sentirse atacadas porque no les gusta lo que ven, pero es normal, a nadie le gusta que públicamente le estén mostrando sus sombras, sin embargo es este el papel que creo debe cumplir y esta cumpliendo el arte en nuestra actualidad, una actualidad dura, inhumana pero que está y es la que debemos retratar, cuestionar y transformar.

Cita

MakinaCrea: sólo para músicos? (Danas)

Cita

Cita

MákinaCrea ¿Cómo se logra el intercambio para la residencia? ¿Hay una tarifa fija? ¿Cuanto tenemos que ahorrar? ¿A cuántos a la vez? (Wendy de Sueños de Papel)

Cita

¡Gracias a todos los participantes! Los invitamos a todos para que se conecten el próximo 27 de febrero en el mismo horario:

19:00 Colombia, 18:00 El Salvador, 21:00 Río de Janeiro, 20:00 Caracas.

Este chat sigue activo para seguir consignando opiniones y posturas.


Obrigado a todos os participantes!

Convidamos todos a se conectarem em 27 de fevereiro ao mesmo tempo: 19:00 Colômbia, 18:00 El Salvador, 21:00 Rio de Janeiro, 20:00 Caracas.

Este chat está ativo para continuar registrando opiniões e posições.

Cita

iMPROSESSiON, uno de los proyectos que impulsamos desde mÁkinAcreA, es la grabación (audio&video) de sesiones en vivo de diversas propuestas artísticas de toda Venezuela, en miras de recibir creadores de otras partes de Latinoamérica y el mundo. Estas grabaciones son abiertas a un público de máximo 40 personas y uno de los valores de este proyecto es el de registrar y visibilizar la vanguardia de las diversas expresiones artísticas que no llegan a los medios de difusión masivo y/o que tampoco cuentan con los medios y recursos para documentar sus proyectos.

Cada propuesta que registramos tiene su búsqueda, su personalidad, su preocupación; nosotros nos ocupamos en potenciar su voz y replicar el mensaje.

Hacemos mínimo dos iMPROSESSiON al mes y la dinámica es que para cada edición invitamos a dos proyectos músicos. Se graba la sesión en vivo de cada uno y al final generamos una dinámica de jamming, improvisación, freestyle, donde se mezclan los integrantes de cada agrupación, inclusive miembros del público y ocurren manifestaciones maravillosas, únicas, irrepetibles y producto de la energía del momento. Estas improvisaciones, por lo general, son en torno a un tema de interés común.

Nuestro estudio musical es también una vitrina para la plástica, la pintura y el arte en sus diversas expresiones.

Una de las principales metas es la de contribuir con el documento histórico de la cultura de nuestra época y sus diversos agentes, actores y gestores.

Seguiremos agitando.

 

Cita

Wendy de Sueños de Papel,

Gracias por tu interés.

Procuramos que cada proyecto que impulsamos tenga base sólida en la autosustentabilidad y para lograrlo debemos empaparnos de la naturaleza del proyecto y afinar estrategias y planes de acción.

Queremos conocer más de tu trabajo.

Dónde podemos acceder a más info?

Si quieres comparte todo lo que creas pertinente a makinacrea@gmail.com

Cita

<<<< mÁkinAcreA, Productora Creativa >>>>

 

Cita

Hola, es crack. ¿Sobre una preguntar como hago para sobrevivir:

"Hola Crack, me llama la atención lo que dices sobre la importancia de movernos en la viralidad, podrías explicarme el por qué de esa importancia, también te quería preguntar si podría ser un papel del arte volver algo viralidad cuando hay silencio o miedo. 

Por otro lado, estoy de acuerdo contigo en que "somos una alternativa para hacer incidencia con las limitaciones de bienes o recursos que tenemos", ¿vos cómo te mueves con esos límites?, ¿de qué manera le haces frente?, ¿cómo trabajas la sostenibilidad desde el arte?"

R/

La importancia de la viralidad es porque en estos espacios se mueven las mayorías, si tu propuesta llega al ser compartido, es por que hay un mensaje que debe mostrarse a otrxs, por la estructura, estética, gracioso, reflexivo, novedoso que puede ser, la intención es llegar a las mayorías, por que es el espacio tomado por los poderes económicos y políticos, por lo menos para mi es importante descifrar, buscar la forma, para llegar a más personas, creo que hay que estar claros que nuestros lenguajes puede delimitar, puede ignorar, a personas que no consumen nuestros lenguajes, que tiene  lenguajes específicos donde captan información.  Un share no es garantía que el mensaje se posicionó claramente pero ha quedado en el imaginario de la persona, esta ahí, el virus de generar una duda.

Y cuando hay silencio y miedo, hay personas que comparte los que les parece, a personas en específico, a grupo de wasap en específico, o tienen páginas para trollear, donde se vuelve un silencio, que grita per sin poner la cara, en ese mundo virtual pero que afecta significativamente las realidades. Debemos pensar cuales son las herramientas que nos conectan con los públicos? cuales son esos espacios que no hemos reconocido?

Primeramente trato de vivir sencillo, con lo básico, quizás el hecho de explorar otros lenguajes me ha permitido, tener varias opciones para responder a la sobrevivencia, trabajo dando asesorías para hacer estrategias de comunicación, soy diseñador gráfico, fotógrafo, films, animación 2d, DJ, soy cerrajero también, es el oficio de la familia, hago lo que sea para hacer arte, vendo camisas, gorras, accesorios, colaboro en varias esfuerzos en defensa de derechos humanos, medio ambiente, a veces solo lo hago voluntariamente, soy artista conceptual a veces vendo mis fotos, videos, hago tomas de drone,  vendo café jejejeje, tenemos redes de economía de la amistad, y también estoy claro que no puedo tener hijos, por que hay que dedicarles tiempo, y para todo lo que estoy metido es muy difícil, por ser un proyecto de vida que debe desarrollarse bien. Estamos tratando de trabajar proyectos en conjunto con comunidades, tratamos afrontar la realidad como lo afronta las mayoría de personas eso nos exige ser más creativos para solventar.

Cita

No tenemos relación con la escena del reguetón, pero sí hemos rescatado los sentidos de varixs, sobre todo de los más jóvenes, y les hemos abierto ventanas hacia otros mundos, colores y sonoridades.

Más que generar espacios de diálogos con escenas culturales machistas, creemos y creamos espacios que ofrecen contenido para sensibilizar y llamar al encuentro, al respeto y la construcción de ambientes donde quepamos todos y nos sintamos agusto. 

Cita

Danas, mÁkinAcreA es un Espacio Cultural abierto al trabajo, exposición y promoción del arte en todos sus tipos de expresión.

Gracias por la pregunta.

Buenas noches*

Cita
Cita de Wendy Vera en febrero 20, 2020, 7:37 pm
Cita de Yesenia Cardona en febrero 20, 2020, 7:15 pm

Tradução / Traducción

Olá pessoal, sou Kriscia Landos, sou artista, sou cantora de uma banda de deathcore metal chamada Aeon Veil. Hoje, quero compartilhar um pouco sobre um determinado problema e um tópico muito comum hoje em dia, que está sendo discutido nas redes sociais, em diferentes mídias e, principalmente, sobre o qual iniciaremos um fórum de discussão.

O tema é sobre feminismo e arte. Como artista, também formada em Bacharelado em Filosofia na Universidade de El Salvador, esse tema é abordado sob diferentes perspectivas. Neste momento, a perspectiva que quero abordar é sobre minha experiência no que é o rock.

Todo mundo sabe que o rock tem sido um gênero no qual as mulheres têm sido muito exploradas, um gênero que se concentra mais no masculinos; Seja a música, a letra dirigida, a atmosfera, a cena e tudo. Eu tenho 10 anos de artista e tem sido um desafio conseguir uma emancipação nesse gênero musical.

Em um gênero, onde o que canto é muito extremo, sou o único no meu país; No começo, era difícil, no sentido de me aproximar de uma mulher, quero dizer que eu tinha um apoio mais do que masculino, por parte das meninas era complicado porque elas lembram que há muita rivalidade entre as mulheres.

Em questões musicais, entre o que é rock e metal, o objetivo em si é quanta música você conhece, em quais shows você vai, quais biografias você conhece. Então, entre as mulheres, como não há muitas, houve muita competição para ver quem é quem mais conhece.

Quando entrei como uma das primeiras garotas cantoras guturais com metal da morte, fiquei sem apoio e sempre me dirigi às mulheres.

Eu finalmente entendi algumas coisas, alguns problemas, por exemplo: a objetificação ou a posição dos corpos; então, muitas pessoas disseram “você deve se ver mais feminina”, “ensina um pouco mais”, “você deve tirar proveito de seus atributos”, como a garota do rock clássico, o estereótipo ou como dizemos aqui no meu país “o clichê”, porque eu sempre fui uma pessoa que realmente gostei de abordar a feminilidade de outro aspecto muito diferente, para realmente manter minha essência, então comecei na música.

Hoje, há muitas garotas que me sinto muito orgulhosa em dizer que as apoiei e as influenciei a começarem a ser artistas de um gênero extremo e hoje houve muita aceitação.

Da mesma forma, o problema dos corpos é um problema que não apenas aborda a arte; mas é um problema social e pertence a todos, é como fazer parte da sua feminilidade, como possuir o seu corpo, por exemplo, criar um perfil que defina uma garota do rock, uma garota que usa perneiras, lycras, ou seja super sexy e, portanto, quando o que tratei como artista é eliminar esse estereótipo de gênero que não apenas me vê, me aceita ou me revitaliza como: “ela é mulher e só porque é mulher, devemos segui-la”, quero evitar uma revitimização, O que eu quero que você aprecie é minha música e minha arte de como eu sou. Tá bom colegas, aqui deixo vocês para discussão nesta parte do fórum e convido você a seguir minha banda Aeon Veil.

 

Saludos sororos.

En una parte del vídeo nos cuentas que tu piensas desde una feminidad distinta a la de los estereotipos de género que se nos imponen. ¿Cómo es esta feminidad, de qué se trata?

¿Cómo piensas que desde la música que haces se puede generar sororidad entre las mujeres cuyas relaciones están marcadas por la competencia entre ellas?

 

 

 

Cita de Wendy Vera en febrero 20, 2020, 7:37 pm
Cita de Yesenia Cardona en febrero 20, 2020, 7:15 pm

Tradução / Traducción

Olá pessoal, sou Kriscia Landos, sou artista, sou cantora de uma banda de deathcore metal chamada Aeon Veil. Hoje, quero compartilhar um pouco sobre um determinado problema e um tópico muito comum hoje em dia, que está sendo discutido nas redes sociais, em diferentes mídias e, principalmente, sobre o qual iniciaremos um fórum de discussão.

O tema é sobre feminismo e arte. Como artista, também formada em Bacharelado em Filosofia na Universidade de El Salvador, esse tema é abordado sob diferentes perspectivas. Neste momento, a perspectiva que quero abordar é sobre minha experiência no que é o rock.

Todo mundo sabe que o rock tem sido um gênero no qual as mulheres têm sido muito exploradas, um gênero que se concentra mais no masculinos; Seja a música, a letra dirigida, a atmosfera, a cena e tudo. Eu tenho 10 anos de artista e tem sido um desafio conseguir uma emancipação nesse gênero musical.

Em um gênero, onde o que canto é muito extremo, sou o único no meu país; No começo, era difícil, no sentido de me aproximar de uma mulher, quero dizer que eu tinha um apoio mais do que masculino, por parte das meninas era complicado porque elas lembram que há muita rivalidade entre as mulheres.

Em questões musicais, entre o que é rock e metal, o objetivo em si é quanta música você conhece, em quais shows você vai, quais biografias você conhece. Então, entre as mulheres, como não há muitas, houve muita competição para ver quem é quem mais conhece.

Quando entrei como uma das primeiras garotas cantoras guturais com metal da morte, fiquei sem apoio e sempre me dirigi às mulheres.

Eu finalmente entendi algumas coisas, alguns problemas, por exemplo: a objetificação ou a posição dos corpos; então, muitas pessoas disseram “você deve se ver mais feminina”, “ensina um pouco mais”, “você deve tirar proveito de seus atributos”, como a garota do rock clássico, o estereótipo ou como dizemos aqui no meu país “o clichê”, porque eu sempre fui uma pessoa que realmente gostei de abordar a feminilidade de outro aspecto muito diferente, para realmente manter minha essência, então comecei na música.

Hoje, há muitas garotas que me sinto muito orgulhosa em dizer que as apoiei e as influenciei a começarem a ser artistas de um gênero extremo e hoje houve muita aceitação.

Da mesma forma, o problema dos corpos é um problema que não apenas aborda a arte; mas é um problema social e pertence a todos, é como fazer parte da sua feminilidade, como possuir o seu corpo, por exemplo, criar um perfil que defina uma garota do rock, uma garota que usa perneiras, lycras, ou seja super sexy e, portanto, quando o que tratei como artista é eliminar esse estereótipo de gênero que não apenas me vê, me aceita ou me revitaliza como: “ela é mulher e só porque é mulher, devemos segui-la”, quero evitar uma revitimização, O que eu quero que você aprecie é minha música e minha arte de como eu sou. Tá bom colegas, aqui deixo vocês para discussão nesta parte do fórum e convido você a seguir minha banda Aeon Veil.

 

Saludos sororos.

En una parte del vídeo nos cuentas que tu piensas desde una feminidad distinta a la de los estereotipos de género que se nos imponen. ¿Cómo es esta feminidad, de qué se trata?

¿Cómo piensas que desde la música que haces se puede generar sororidad entre las mujeres cuyas relaciones están marcadas por la competencia entre ellas?

 

 

La femenidad de la que hablo es acerca de volver a tener el control de nuestros cuerpos, evitar caer en cuerpo de consumo. 

Lo siento por la tardanza, tengo problemas para ingresar. Saludos

Cita
Cita de Invitado en febrero 20, 2020, 7:37 pm
Cita de Yesenia Cardona en febrero 20, 2020, 7:15 pm

Tradução / Traducción

Olá pessoal, sou Kriscia Landos, sou artista, sou cantora de uma banda de deathcore metal chamada Aeon Veil. Hoje, quero compartilhar um pouco sobre um determinado problema e um tópico muito comum hoje em dia, que está sendo discutido nas redes sociais, em diferentes mídias e, principalmente, sobre o qual iniciaremos um fórum de discussão.

O tema é sobre feminismo e arte. Como artista, também formada em Bacharelado em Filosofia na Universidade de El Salvador, esse tema é abordado sob diferentes perspectivas. Neste momento, a perspectiva que quero abordar é sobre minha experiência no que é o rock.

Todo mundo sabe que o rock tem sido um gênero no qual as mulheres têm sido muito exploradas, um gênero que se concentra mais no masculinos; Seja a música, a letra dirigida, a atmosfera, a cena e tudo. Eu tenho 10 anos de artista e tem sido um desafio conseguir uma emancipação nesse gênero musical.

Em um gênero, onde o que canto é muito extremo, sou o único no meu país; No começo, era difícil, no sentido de me aproximar de uma mulher, quero dizer que eu tinha um apoio mais do que masculino, por parte das meninas era complicado porque elas lembram que há muita rivalidade entre as mulheres.

Em questões musicais, entre o que é rock e metal, o objetivo em si é quanta música você conhece, em quais shows você vai, quais biografias você conhece. Então, entre as mulheres, como não há muitas, houve muita competição para ver quem é quem mais conhece.

Quando entrei como uma das primeiras garotas cantoras guturais com metal da morte, fiquei sem apoio e sempre me dirigi às mulheres.

Eu finalmente entendi algumas coisas, alguns problemas, por exemplo: a objetificação ou a posição dos corpos; então, muitas pessoas disseram “você deve se ver mais feminina”, “ensina um pouco mais”, “você deve tirar proveito de seus atributos”, como a garota do rock clássico, o estereótipo ou como dizemos aqui no meu país “o clichê”, porque eu sempre fui uma pessoa que realmente gostei de abordar a feminilidade de outro aspecto muito diferente, para realmente manter minha essência, então comecei na música.

Hoje, há muitas garotas que me sinto muito orgulhosa em dizer que as apoiei e as influenciei a começarem a ser artistas de um gênero extremo e hoje houve muita aceitação.

Da mesma forma, o problema dos corpos é um problema que não apenas aborda a arte; mas é um problema social e pertence a todos, é como fazer parte da sua feminilidade, como possuir o seu corpo, por exemplo, criar um perfil que defina uma garota do rock, uma garota que usa perneiras, lycras, ou seja super sexy e, portanto, quando o que tratei como artista é eliminar esse estereótipo de gênero que não apenas me vê, me aceita ou me revitaliza como: “ela é mulher e só porque é mulher, devemos segui-la”, quero evitar uma revitimização, O que eu quero que você aprecie é minha música e minha arte de como eu sou. Tá bom colegas, aqui deixo vocês para discussão nesta parte do fórum e convido você a seguir minha banda Aeon Veil.

 

 

Cita de Yesenia Cardona en febrero 20, 2020, 7:15 pm

Tradução / Traducción

Olá pessoal, sou Kriscia Landos, sou artista, sou cantora de uma banda de deathcore metal chamada Aeon Veil. Hoje, quero compartilhar um pouco sobre um determinado problema e um tópico muito comum hoje em dia, que está sendo discutido nas redes sociais, em diferentes mídias e, principalmente, sobre o qual iniciaremos um fórum de discussão.

O tema é sobre feminismo e arte. Como artista, também formada em Bacharelado em Filosofia na Universidade de El Salvador, esse tema é abordado sob diferentes perspectivas. Neste momento, a perspectiva que quero abordar é sobre minha experiência no que é o rock.

Todo mundo sabe que o rock tem sido um gênero no qual as mulheres têm sido muito exploradas, um gênero que se concentra mais no masculinos; Seja a música, a letra dirigida, a atmosfera, a cena e tudo. Eu tenho 10 anos de artista e tem sido um desafio conseguir uma emancipação nesse gênero musical.

Em um gênero, onde o que canto é muito extremo, sou o único no meu país; No começo, era difícil, no sentido de me aproximar de uma mulher, quero dizer que eu tinha um apoio mais do que masculino, por parte das meninas era complicado porque elas lembram que há muita rivalidade entre as mulheres.

Em questões musicais, entre o que é rock e metal, o objetivo em si é quanta música você conhece, em quais shows você vai, quais biografias você conhece. Então, entre as mulheres, como não há muitas, houve muita competição para ver quem é quem mais conhece.

Quando entrei como uma das primeiras garotas cantoras guturais com metal da morte, fiquei sem apoio e sempre me dirigi às mulheres.

Eu finalmente entendi algumas coisas, alguns problemas, por exemplo: a objetificação ou a posição dos corpos; então, muitas pessoas disseram “você deve se ver mais feminina”, “ensina um pouco mais”, “você deve tirar proveito de seus atributos”, como a garota do rock clássico, o estereótipo ou como dizemos aqui no meu país “o clichê”, porque eu sempre fui uma pessoa que realmente gostei de abordar a feminilidade de outro aspecto muito diferente, para realmente manter minha essência, então comecei na música.

Hoje, há muitas garotas que me sinto muito orgulhosa em dizer que as apoiei e as influenciei a começarem a ser artistas de um gênero extremo e hoje houve muita aceitação.

Da mesma forma, o problema dos corpos é um problema que não apenas aborda a arte; mas é um problema social e pertence a todos, é como fazer parte da sua feminilidade, como possuir o seu corpo, por exemplo, criar um perfil que defina uma garota do rock, uma garota que usa perneiras, lycras, ou seja super sexy e, portanto, quando o que tratei como artista é eliminar esse estereótipo de gênero que não apenas me vê, me aceita ou me revitaliza como: “ela é mulher e só porque é mulher, devemos segui-la”, quero evitar uma revitimização, O que eu quero que você aprecie é minha música e minha arte de como eu sou. Tá bom colegas, aqui deixo vocês para discussão nesta parte do fórum e convido você a seguir minha banda Aeon Veil.

 

Kriscia, ¿qué pasa cuando una mujer decide que quiere ser una rockera con falda corta y lycra? ¿Hay alguna forma de reinvidicar este tipo de decisiones en el género musical en el que te desenvuelves?

Reinvindicar, esta complicado por que al momento no se ha logrado una deconstrucción total de la escena del rock ya que es una escena totalmente machista. Así que si eres artista y decides vestir con falda, si te presentas a escena posiblemente te vean como cuerpo de consumo para el público masculino. Aquí en mi función como artisya, mujer es educar al público y motivar la unión entre mujeres para poder seguir aportando a un posible cambio de visión.

Lo siento por la tardanza tengo problemas para ingresar al foro. 


Un espacio habilitado para la inspiración con diversas apuestas estéticas latinoamericanas: en esta época de sinsentidos la lógica parece desbordada y necesitamos de nuevo la imaginación y encontrar nuevas reflexiones, ecuaciones de cambio, desde la sensación y la empatía que siempre nos ha permitido el arte.